Ir para o Topo

Procurando algo?

21 de junho de 2018

Um Porto Seguro nos Campos Elíseos

O bairro de Campos Elíseos, localizado no distrito de Santa Cecília, em São Paulo, tem saudades dos seus dias de glória. Nasceu sob o fausto dos barões de café, mas padeceu com a decadência do centro da cidade e agora ressurge em elegância e história. Aos poucos. Um “Campos Elíseos +gentil”, campanha timoneada pelo Instituto Porto Seguros, está ajudando a trazer de volta a qualidade de vida no bairro, com a restauração de seus sobrados históricos, programas de profissionalização para jovens de baixa renda e recuperação de espaços públicos.

Fundado em 2005, com o nome de Casa Campos Elíseos Melhor, o Instituto Porto Seguro, organização de sociedade civil sem fins lucrativos, tem como principal mantenedora a seguradora Porto Seguro. O foco de atuação da ONG é o desenvolvimento de projetos socioambientais e culturais da região de Campos Elíseos, em São Paulo, com ênfase na educação e cultura. Em 2015, o Instituto inaugurou a Associação Campos Elíseos +gentil, que, por meio de projetos inclusivos, tem o objetivo de promover ações de conservação dos espaços públicos e o bem-estar das pessoas que moram, trabalham ou frequentam o bairro.

Um dos programas mais concorridos é o Escola Empreendedora. Criado em 2015, tem o objetivo de qualificar e formar empreendedores na área de costura industrial. Durante todo o processo, os participantes do projeto são estimulados a pensar como empreendedores e operar uma empresa de costura na prática. No mesmo espaço em que têm acesso à formação profissional, em parceria com o SENAI, os alunos podem gerar renda – por meio do acesso a crédito, bens de produção e equipamentos. Ao final de quatro semestres, estão prontos para abrirem as próprias empresas, trabalhar em as casas ou disputar o mercado de trabalho.

Embora, em média, os alunos matriculados em cursos profissionalizantes necessitam de até um ano para começar a gerar renda, na oitava semana já têm a oportunidade de trabalhar, utilizando, para isso, a infraestrutura do projeto. Cada turma funciona como uma empresa real, em que os participantes vivenciam, na prática, todo o ciclo de negócios, em alguns casos com parcerias com indústrias e comércio de confecção.

O Instituto também oferece outros cursos de capacitação profissional para habilitar os moradores ao empreendedorismo ou facilitar o acesso ao emprego. Os cursos, em parceria com o SENAI e SENAC, têm a duração de três a sete meses e formam manicures, cabelereiros, artesãos, técnicos em informática, eletricistas, auxiliares de mecânico e pintura, entre outros. “Muitos dos cursados conseguem montar seus próprios negócios e vendem seus serviços no próprio bairro”, explica Mirian Mesquita, Gerente de Responsabilidade Social e Ambiental da Porto Seguro.

Uma vez formados, esses profissionais montam seu negócio ou recebem indicações para trabalhar nas empresas parceiras e fornecedores da Porto Seguro, como oficinas mecânicas e centros automotivos. Só na área de beleza são capacitados anualmente cerca de 300 profissionais. Já o curso de artesanato, realizado nas dependências do Instituto, capacita anualmente 150 pessoas. O material produzido pelos alunos é comercializado na própria Porto Seguro.

As portas do Instituto, um espaço de 2 mil metros quadrados, com quadra de esporte e demais instalações, também estão abertas para as crianças e adolescentes do bairro.

Nessas dependências é aplicado o programa Ação Educa, que tem o objetivo de complementar, no contraturno escolar, as atividades do ensino formal da rede pública de ensino, nas idades entre seis e 15 anos. Desde o seu início em 2004, mais de 600 crianças participaram do programa. “Além do trabalho pedagógico, mobilizamos voluntários da empresa e da região e ONGs parceiras para atendimento social às crianças em oftalmologia e dentista”, acrescenta a Gerente de Responsabilidade Social e Ambiental da Porto Seguro.

Projetado, inicialmente, para oferecer recreação para as crianças do bairro devido à falta de oferta de espaços de cultura e lazer na região, o Ação Educa hoje atende até 200 crianças e adolescentes, que passam quatro horas envolvidas com um conjunto de atividades pedagógicas, esportivas, artísticas e culturais, entre oficinas de balé, pintura, artesanato e esporte. Os participantes do projeto devem estar devidamente matriculados no ensino público e ter a situação familiar de baixa renda comprovada, além de residir no distrito de Santa Cecília.

Os Campos Elíseos, onde, por sinal, funciona a sede da seguradora, também têm recebido investimentos expressivos do Instituto na área cultural. O Teatro Porto Seguro, inaugurado em maio de 2015, tem uma área de 4.100 metros quadrados e capacidade para 508 pessoas. O Centro Cultural Porto Seguro, por sua vez, realiza exposições, oficinas de arte e palestras sobre arte e cultura. O bairro agradece.

Gigante de Pedra

Fundada em 27 de agosto de 1945, por José Alfredo de Almeida, José da Cunha Júnior, José Andrade de Souza e Amador Aguiar, diretores e acionistas do Bradesco, a Porto Seguro é hoje um conglomerado de 28 empresas que vendem mais de 50 produtos e serviços entre seguros, consórcios, soluções financeiras, proteção e monitoramento, telefonia móvel e saúde ocupacional.

Por sua atuação nos segmentos de Seguro Auto e Residência, é a quarta maior seguradora do País, o que vem, ao longo dos anos, garantindo a sua solidez. É um gigante de pedra. Tem portfólio grandiloquente. São mais de 14 mil funcionários, 16 mil prestadores, 37 mil corretores, 18 milhões de clientes e uma centena de sucursais e escritórios regionais. Com receitas brutas totais da ordem de R$ 4,5 bilhões auferidas no quarto trimestre do ano passado, a Porto Seguro embolsou nesse ano um lucro da casa do bilhão de reais.